FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES DO RIO DE JANEIRO “VERSUS” FEDERAÇÃO OPERARIA DO RIO DE JANEIRO

Mostra-se como a vontade unificadora dos “disciplinistas syndicaes” não passa de uma “rasteira” mal disfarçada, passada pelos “capoeiras” do “centralismo obreiro” – A Eftêérrejóta extinguir-se-á aos primeiros lampejos da nova Federação.

Os elementos que bolschevisaram a F.T.R.J. parece haverem-se arrependido dos passos que deram, no principio desse anno, “pró-unificação” do operariado local.

É isso, pelo menos, o que se deduz dos seus ultimos manifestos, publicados as terças nos jornaes diários.

Há oito ou quinze dias, lemos “que a Federação ainda tem elementos dispostos a trabalhar pelo seu soerguimento”, etc.; agora, no que hontem foi publicado, lemos que “da revanche divisionista cinco associações escaparam illesas e são essas cinco que procuram conduzir a Federação de accordo com as suas bases, esperando que todas as associações queiram commungar com ellas, nessa obra de organização e unificação.”

Antes de mais nada:

A que chamará o Comité Federal da F.T.R J. “revanche divisionista”?

E que comprehederá o tal Comité por “obra de organização e unificação”?

Positivamente, nós vemos estas coisas por prysmas differentes…Mas vamos ao que nós consideramos  arrependimento, deixando para mais tarde o esmiuçar desses “quês”.

Quando a F.T.R.J. se dirigiu as associações operarias que lhe negavam a sua adhesão, fel-o confessando peremptoriamente  que a sua vida era ficticia (como ainda confessa que é), que era nulla a sua acção e declarando “que era preciso por de parte tudo que pudesse impedir um bom entendimento”, do qual deveria resultar, ou a sua propria reorganização ou a constituição dum organismo que correspondesse às necessidades federativas dos trabalhadores organizados.

Mais do que esperava, lá no Comité da F.T.R.J., as associações locaes, abstraiando-se dos justificados ressentimentos que existiam , accorreram ao chamado; e cada qual, pelos seus delegados, expoz com visivel clareza e sinceridade os seus pontos de vista a respeito da organização syndical.

Naturalmente, como sempre acontece, houve logo ma primeira reunião o innevitavel choque de opiniões, como que a demonstração, a impossibilidade do sonhado entendimento…

Mas assim mesmo todos insistiram; uns na esperança vã de ver realizado o seu fantastico sonho de unificação; outros no proposito preconcebido de ir até onde o desejo de fazer triumphar o logro e a capciosidade não fosse contrariado; outros ainda, dispostos a darem todas as provas de que, embora não fazendo concessões de modo a trahir os seus proprios sentimentos, não opporiam obstaculos à vontade daquelles que então pareciam dispostos a “fazer todo o possivel pela concretização da organização operaria”, era todavia isento dos condemnaveis “excessos doutrinarios…”, alheio ao “puritanismo” dos elementos anarchistas que pontificam na organização sindical.

E foi sob a mais incerta e indecisa actuação dos militantes anti libertários que se passaram as primeiras semanas e os primeiros meses, de continuos e reciprocos esforços “pró-unificação”…

Finalmente, já fartos de esperar que os elementos da “Eftêérrejóta” apresentassem qualquer trabalho elucidativo, qualquer plano de reorganização, qualquer iniciativa que demonstrasse, ao menos, o porque das reuniões que convocaram; cançados de esperar e convencidos da incapacidade constructiva desses elementos, os representantes das associações automanas quasi todas de tendencias anarchistas, começaram a fazer suggestões e apresentar propostas.

Surgiu a moção apresentada pelo Syndicato de Officios Varios de Marechal Hermes, onde os defensores da “dictadura proletaria” logo viram uma formidavel e intolerabilissima declaração dos principios anarchicos.

Constituiu-se uma “Commissão Organizadora” com a imcumbencia de elaborar as bases de accôrdo, segundo as quaes se deveria operar a federação das associações locaes.

Foi quando em realidade se defrontaram e mediram as forças adversas!

Os da “Eftêérrejóta”, embora contando com o concurso de sua associações de Nichteroy, convidadas sophismaticamente para coparticiparem de trabalhos estrictamente locaes, constataram a sua situação inferior, tanto do ponto de vista mental como moral…e numerico.

E começaram então a obstruir.

A obstruir todas as iniciativas, elles, que estavam ali antes como alliados de Moscovia do que representantes do seu syndicato; elles que estavam ali para conseguirem a canaliazação dos demais syndicatos para o “fôrno” bolchevisante, centralizando-os, ou para impedir a victoria das tendencias libertarias, – resultando dahi maiores difficuldades para a conclusão do “accordo unificador”, phantasticamente imaginado…

A maioria dos associados que tomaram parte nas reuniões que a “Efetêérrejóta” convocou , mantinha, como mantém ainda, o seu espirito libertario. Não era possivel esperar dessas organizações tão grandes concessões que permittissem aos elementos bolchevisantes ver acceites os seus modernos velhos processos de disciplina e centralização. Mas esses elementos tinham em mente “conquistar a todo transe os syndicatos para o communismo”, influenciados que andam pelas theorias de Radek e Losowsky, dois “vistosos” “leaders” das internacionais de Moscovia, e acharam conveniente, entenderam ser de “boa tactica”, dar um passo atraz.

No seio da Commissão Organizadora, onde se comprometteram a apresentar um projecto de bases de accordo para a federação local, acabaram por declarar – cremos que depois duma reunião com a C.E. do seu partido – “É melhor que as associações só apreciem e discutam as bases que elaborastes”…

Positivamente, innegavelmente, a idea dos communistas (?) “estava premeditada desde o começo de toda aquella indecente comedia “unificadora”! E só não o enxergou quem não queria vêr.

Certos de que formavam uma minoria insignificante, os communistas – bolschevistas resolveram lançar mão dos seus mais predilectos recursos, que são a calumnia, o embuste, a mentira indigna e revoltante.

A sua ultima farça foi concordar que as bases então elaboradas pela “Commissão Organizadora” e acceites pela grande maioria de delegações fossem enviadas para os syndicatos “para que estes “referendassem”, livremente, o trabalho realizado”.

Nem nesse momento foram sinceros! Deviam ter desde logo a franqueza de affirmar que especie de “trabalho” iam fazer nos syndicatos, para impedir a marcha da sua propria iniciativa – que já agora é quasi victoriosa mas em prejuizo dos seus inconfessaveis intentos!

Mas não, preferiram agir na surdina.

Levaram a empatar, levaram a “amornar”, levaram a tecer indecorosas teias, com a acclamação de “commissões relatoras de pareceres”, etc., para ao fim, antes de cumprirem um dever que se impuzeram para com as associações não federadas, virem accintosamente publicando nos jornaes.

– “Tal associação nos communicou haver reccusado a acceitar as bases de accordo da Federação Operaria do Rio de Janeiro. Esta é já a terceira federada que assim procede…”

Em realidade, isso é proprio dos “unificadores”…

¾

O arrependimento era coisa de prever; tudo promethia a esmagadora derrota imposta aos disciplinistas do syndicalismo; e se nos decidimos a escrever tanto sobre coisa de tão pouca monta foi só para que não ficasse ignorado o procedimento dessa gente do “Comité da Eftêérrejóta”, que tão rara “capacidade  directiva” possue que até pretende fazer “ressucitar” um cadaver já putrefeito para o conduzir “vivinho da silva”, pelo “caminho que realmente corresponde aos fins para que foi creado…”

¾

Nós, os anarchistas, neste caso de organização operaria local, devemos pôr de parte os escrupulos que nos têm tolhido, até agora, maiores surtos. Temos de considerar inexistente qualquer obstaculo que se nos depare.

A Federação dos T. do Rio de Janeiro não vive: vegeta.

Das cinco associações que a compõem, nem todas estão decididas a viver continuamente divorciadas das associações que passaram a constituir a Federação Operaria do Rio de Janeiro.

Esse organismo portanto, que só vive na fantasia bolschevista do “Comité Federal”, é coisa nulla, não pode ser considerado estorvo para melhores emprehendimentos.

¾

Ora vejam! Que capacidade possuem os modernos “chefesitos del syndicalismo criollo”!

Quanto esplendido é o seu methodo de organização!…

E todavia “esos chefesitos”, que têm tão bom programma e que são portadores de tão honrosas credenciaes, não organizam um só syndicato; não conseguem desenvolver as suas proprias associações; não conseguem, siquer, para a “Eftêérrejóta”, a adhesão de nenhum desses innumeraveis organismos obreiros que vivem, pujantes, installados nesta maravilhosa Sebastianópolis, alheios à “maluquice e ao utopismo dos anarchistas”, muito extranhos ao “daltonismo doutrinario” dos “divisionistas”…

Porque não organizam?

Porque não têm, esses pretensos detentores dos “mais sãos principios” e dos methodos mais infalliveis”, outro apoio, além do apoio hypothetico de cinco associações?

Simplesmente por isto: porque, sobre serem méros detentores de suppostos titulos, não passam, como bem disse Costa Iscar – e como nós todos sabemos – “de indignos perros lanzados contra el ideal anarchista”.

Rio,  /7/23

Marques da Costa

 

Matéria publicada na Secção Trabalhista do jornal A Pátria (Rio de Janeiro), no dia 2 de agosto de 1923.

Anúncios

Uma resposta to “Federação dos Trabalhadores do Rio de Janeiro “versus” Federação Operária do Rio de Janeiro”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s